terça-feira, 15 de dezembro de 2009

DOSSIÊ HOLMES – PARTE II

Sir Arthur Conan Doyle
SHERLOCK HOLMES é um personagem imortal que nossos filhos e netos continuarão a explorar. Mas nunca devemos esquecer do homem que teve a grande idéia, Sir Arthur Conan Doyle, porque através de seu personagem é que toda a sua obra continua a sobreviver e fascinam jovens e adultos. Então vamos a alguns fatos de sua vida em uma pequena biografia.
Sir Arthur Conan Doyle, filho de aristocratas irlandeses arruinados, nasceu a 22 de maio de 1859 em Edimburgo, capital da Escócia, e faleceu em Cowborough, Condado de Sussex, Inglaterra, no dia 7 de julho de 1930. Formou-se em medicina, especializou-se em oftalmologia, mas a escassez de clientes obrigou-o a tentar carreira como médico de bordo, viajando assim pelo muno todo. Participou da guerra dos bôeres, na África do Sul, como oficial-médico.
Foi em 1987, durante horas de ócio em eu consultório de oftalmologista, à espera de clientes que não vinham que Conan Doyle imaginou pela primeira vez o personagem que o haveria de imortalizar: o detetive Sherlock Holmes, considerado um dos pioneiros das histórias policiais de dedução. Sua inspiração veio do Dr. Joseph Bell, cirurgião do Hospital de Edimburgo e seu professor na Universidade, cujos surpreendentes métodos de dedução e análise tornaram-no o mais brilhante mestre da observação, de sua época. De maneira similar a Holmes, o Dr. Bell explicava os sintomas de seus pacientes, até mesmo contava-lhes detalhes de suas vidas, antes que eles pronunciassem uma palavra sequer. (alguém aí lembrou do Dr. House??)
Somente depois de 2 ou 3 nomes, Doyle optou pelo nome origem Anglo-saxônica - SHERLOCK - que significa "sagaz e astuto". Foi com esse nome, que Holmes se tornou uma lenda e seu nome um símbolo de inteligência, dedicação e persistência. Doyle conseguiu tal fama com seu fabuloso personagem, que muitas vezes a própria policia inglesa o convidava para investigar crimes misteriosos. E ele, agindo segundo os métodos aplicados pelo fictício Sherlock Holmes, resolvia-os de maneira tão brilhante quanto o seu próprio personagem. E aqui, eu abro um parêntese na narrativa da biografia desse grande escritor para contar algo que aconteceu referente a esse assunto.
Certa vez a Scotland Yard foi ver Doyle pedindo sua opinião sobre o assassino sanguinário, Jack o Estripador. Ele sugeriu um homem disfarçado como uma parteira. Na época, era perfeitamente normal ver estas mulheres com avental manchado com sangue nas ruas a qualquer hora do dia e da noite. Para que as pessoas nem sequer prestar atenção a um homem escondido sob esse disfarce. Sua opinião não foi compartilhada pela Scotland Yard.
Voltando. Nos intervalos das histórias do detetive, Doyle dedicou-se a obras "mais sérias", mais apreciadas pelo escritor, como "A Companhia Branca", "As Façanhas do Brigadeiro Gerard", “Dr. Negro e outras histórias de Terror” e "Micah Clarke". Esse último, um grande sucesso. Doyle acabou, assim, abandonando a medicina para seguir definitivamente a carreira literária.
Doyle até queria continuar com sua literatura “séria” só que as histórias de Sherlock Holmes tornavam-se mais e mais populares, obrigando Conan Doyle a continuar criando casos para seu detetive. E quanto mais vezes o detetive expunha suas habilidades para o público estupefato, mais as outras obras de Doyle tornavam-se obscurecidas. Em 1891, escreveu à sua mãe: "Tenho pensado em matar Holmes... e livrar-me dele para sempre. Ele mantém minha mente afastada de coisas melhores".

Então numa peripécia chegou a “matar” Holmes (mais detalhes nas postagens posteriores) pois pretendia, assim, pôr um fim às histórias de Holmes e dar espaço às suas obras mais clássicas. Para a grande surpresa de Doyle, a morte de Sherlock Holmes, publicada em 1893 no caso "O Problema Final", chocou milhares de pessoas de todos os cantos do mundo. Muitos marcharam em luto pelas ruas de Londres, em protesto. O público não se conformava e clamava pela volta do detetive.
Assim, em meio a um turbilhão de protestos e insultos, Doyle foi obrigado a ressuscitar seu detetive no caso "A Casa Vazia", em 1903. Era a prova de que a criatura tornara-se mais forte do que o criador. Sherlock Holmes tinha tornado-se imortal.

Só que o criador Doyle também era um homem de múltiplas facetas: médico, escritor, pugilista, corredor de automóvel, jogador de críquete e de futebol, campeão de bilhar, grande esquiador, inventor do salva-vidas, do capacete de aço e do método de tirar impressões digitais com gipsita, além de ser detetive nas horas vagas. Além disso, ainda era amigo pessoal de outros escritores como: Robert Louis Stevenson, Kipling, JM Barrie, Bram Stocker (criador de DRÁCULA), Oscar Wilde (O Retrato de Dorian Gray) e até do grande mágico Houdini! uma celebridade da época.
Talvez mais um fato de sua vida seja interessante e não deva ficar de fora: nos seus últimos anos, Conan Doyle apaixonou-se pelo espiritismo e pelas ciências ocultas, destacando-se também como um lúcido escritor espírita em todo o mundo, revelando notável compreensão do problema espírita in-totum (como ciência, filosofia e religião). O espiritismo tornou-se uma religião para ele, e o levou a promover palestras em vários países, como a Austrália e África do Sul, tornando-se um dos mais renomados espíritas do presente século.
Este foi Conan Doyle (condecorado Sir em 1902), que além de ser uma pessoa de múltiplos talentos, acabou criando, sem nítida consciência do que estava fazendo, um personagem que em pouco tempo apaixonou o mundo inteiro, o detetive Shelock Holmes, cujo um pouco de sua história e mitologia você verá por aqui nos episódios de Dossiê Holmes, um preparativo para o novo filme de Sherlock Holmes.

Grande abraço a todos e até a próxima. Câmbio e desligo :)

5 comentários:

  1. Há.. ainda ontem tava falando do Sir pro orle...
    ainda nem tinha visto no blog!!
    hahaha tenho que parar com essas coincidencias!!
    bjuxxxxxxxxxxxxxxx

    ResponderExcluir
  2. Tinha que ser irlandês. Irish ppl are hot! hehe

    ResponderExcluir
  3. Érico! vc começou a história da parteira e não terminou! Agora eu fiquei curiosa.. Não o ouviram e aconteceu oq?
    Não faz isso com uma mente curiosa menino!!!!
    hahahha

    Ps: O Doyle era o cara hein? surpreendente a biografia dele, pena q fica obscurecida, assim como suas outras obras, pelo grandioso sucesso do Holmes! ( q aliás eu AdOORo )

    ResponderExcluir

Olá gente fina! Deixe o seu comentário!
Mas, primeiro, LEIA A POSTAGEM!.
Fique à vontade!!! Se você leu, comente. Não custa nada.